Menu e Textos Alma das Flores
Banner

Cadastre-se e receba newsletter

    

 

 

Num determinado momento do aqui e agora: a distinção entre o existente na nossa realidade; o possível de existir, caso se faça isto ou aquilo outro; e o inexistente. Saudável percepção, sem ilusões, inverdades e sofrimentos vãos. Uma verdade existencial: a realidade é mutável, impermanente, e depende de inúmeros fatores. O que não pode faltar em um caminho escolhido: amor e amor próprio.

 

  
 


 

 

 

Buscar

 

3 Conteúdos encontrados
Jorge e a garagem de casa - TARÔ   Jorge e a garagem de casa   Rosana Uchôa - 05/07/2012   Sueli (nome fictício) de uma história real familiar - Não acredita em Deus e diz para Sueli que não acredita no amor, insistindo nesse ponto ao longo dos anos. Sueli queria ser amada por seu marido, mas nem a olhava. Indiferente, mal falava pela manhã. Sério e fechado, sobre assunto relacionamento, nem pensar em diálogo. Os dois fazem terapia faz um tempo. Da última vez, ano passado, Jorge (nome fictício) estava querendo se separar e estava praticamente inacessível à esposa. Mesmo assim, o jogo do Tarô não mostrava o casal se separando não, e nem ser o indicado. Continuariam juntos, sem ser fácil para ela.   Jorge saiu de casa, porque decidiu se separar da esposa definitivamente. Visita as filhas nos fins de semana. No início da separação, ele sempre que ia, permanecia dentro do carro estacionado na rua. Jorge e Sueli começaram a sair juntos de carro para conversar e passear. Ele nunca entrava em casa. Com o tempo, começou a frequentar a própria casa nos horários quando as filhas vão para a casa da avó ou estão estudando.  Não quer que as filhas saibam que vai, quando estão fora. Não assume que está namorando a mãe delas. Jorge vai escondido para a própria casa e a Sueli reclama que ela tem sempre que inventar uma desculpa diferente para nunca descobrirem a verdade: os pais estão namorando. Ele passou a estacionar dentro da própria garagem. Sueli elogia o marido na sua nova fase e alega conhecê-lo bem para deixá-lo satisfeito. Pergunta sobre o marido: “O que fazer agora? Ele mudou, mas não aguento mais. Ele vai voltar logo para casa?”    -  “Melhorou muito, ele nem olhava para você!”...  Ele não vai voltar para casa logo não. Agora ele começou um namoro com você.  Tarô - Uma boa notícia: Ele está se apaixonando. Sueli gosta da notícia. Ele já a amava, mas a terapia está fazendo efeito e ele está começando a aflorar o
Sexo também pode ser prejudicial à saúde - TARÔ      Sexo também pode ser prejudicial à saúde - TARÔ O corpo fala 06 de julho de 2012 Rosana Uchôa   Em ano anterior, Jaqueline (nome fictício) estava com um homem jovem, solteiro, que basicamente a procurava para sexo, mas não a assumia como namorada, socialmente ou diante dos familiares. Uma mulher bonita com mais de trinta anos. Ela queria o namoro, o desenvolvimento da relação, pois estava amando, mas ele a tratava apenas nestes termos: amante de um homem solteiro. Procurava Jaqueline, quando ele queria, mas se mostrava indisponível aos encontros por parte dela. Situação bastante comum hoje em dia. Era o homem dos seus desejos, o seu amante ideal e viril em termos de sexo. Fácil remédio para o seu buscador. No jogo anterior, havia aparecido que a mulher estava prestes a ficar doente de algo sério. Na época negou, dizendo estar completamente saudável. Não lembro da consulta, entretanto recordou que insisti a respeito da tal doença que apareceu nos arcanos, e que ela ficasse atenta a respeito da saúde, e procurasse um médico por necessidade. Não se tratava apenas de uma somatização temporária e de simples solução por meios pessoais, foi o alerta. A separação estava indicada como melhor escolha do momento pelo Tarô, porque o sexo satisfatório num determinado aspecto não iria mudar ou evoluir para um namoro conforme queria, assinalando a predisposição dos envolvidos. Tal situação não estava fazendo nada bem para o seu perfil psicológico feminino, desejoso também de afeto, companheirismo e socialização.   Quatro semanas depois da consulta anterior, apareceu o sintoma no estômago, surpreendendo a Jaqueline, segundo relatou no retorno: uma doença rara, de fundo emocional conforme explica a medicina. Lembrou da consulta de Tarô. Em termos ela se alimentava, mas de forma geral o emocional não conseguia assimilar e digerir normalmente os alimentos. Começou a emagrecer demais e de forma rápida em decorrênc
A Gratidão e o Louco do Tarô       A Gratidão e o Louco do Tarô Rosana Uchôa  24/09/2012     A gratidão não tem fim, porque a gente sempre se lembra do que não consegue esquecer pelos mais variados bons motivos. A gratidão é geralmente a melhor das despedidas.   A gratidão não tem hora, porque não existe só por causa de mim e do Sistema Solar.     A gratidão sabe dizer aDeus, porque o existente vem de Deus, independente da gente, de certa forma interligado. Nasceu livre para ser agradecida e também agraciada por Ele.     A gratidão é uma cor que nunca se apaga. Luz dos seres.     A gratidão é uma das melhores fotos de nosso perfil.    A gratidão é a ponte num mar revolto, a coragem que sempre tive de dizer e a lembrança que fica quando um dia não mais estivermos aqui.     A gratidão não tem sexo, mesmo começando com A e terminando com O.     A gratidão é só o começo da verdadeira história dos mundos.      A gratidão não espera nada de ninguém, porque é mais inteligente do que pensam as vãs filosofias mundanas.   A gratidão não sente pena de ninguém: ela cura "todo mundo".   A gente não sabe o que faz com a gratidão: se ri ou se chora.      A gratidão não odeia ninguém. A gratidão sente amor cósmico. Ela agradece o bem e o mal que lhe servem de lição antes das provas finais.    A gratidão não perdoa, porque não precisa disso para ser feliz. Confia em Deus. Depois de tudo agradece e pronto! Acabou! Não resta! A gratidão não provoca e nem contraria ninguém, pois simplesmente agradece de coração sem pensar em mais nada, antes que diga o que sente. A gratidão é um ato de entrega pela firme vontade de Ser: principalmente mulher, independente de sexo.     A gratidão é a maior espontaneidade da Terra. Ela é a si mesma, antes que lhe digam como deveria ser, na realidade, em “um mundo maravilhoso” sem a sua existência assim como é, mas deveria ser, pensar, falar e escrever, caso fosse melhor
planetafuturo © Copyright 2000