Menu e Textos Alma das Flores
Banner

Cadastre-se e receba newsletter

    

 

 

Num determinado momento do aqui e agora: a distinção entre o existente na nossa realidade; o possível de existir, caso se faça isto ou aquilo outro; e o inexistente. Saudável percepção, sem ilusões, inverdades e sofrimentos vãos. Uma verdade existencial: a realidade é mutável, impermanente, e depende de inúmeros fatores. O que não pode faltar em um caminho escolhido: amor e amor próprio.

 

  
 


 

 

 

Ressonâncias do Ser Interior

 

 

“O amor é o fator mais importante na vida. Se você orar a Deus com amor e devoção intensa, suas preces certamente serão respondidas. Tal é o poder do amor. Desprovido de amor, não se pode conseguir coisa alguma, mesmo neste mundo mundano. O amor é Deus, viva em amor! Todo o universo torna-se um vácuo sem amor. Perceba essa verdade! Não há poder maior do que a humanidade neste mundo. Tudo o que experimentamos no mundo exterior é apenas uma reação, reflexão e ressonância do ser interior. Deixe que a chama do seu amor seja firme e inabalável. Não há maior sadhana (prática espiritual) que o amor. Essa é a prática espiritual que você deve adotar em todos os momentos. A Divindade é onipresente. Pratique o Amor Divino para que você possa perceber a divindade onipresente dentro do seu próprio ser.”
Sathya Sai Baba
 
 

 

Ressonâncias do Ser Interior

Rosana Uchôa

14/09/2014

Interessante quando Ele diz que mesmo neste mundo mundano, desprovido de amor não se pode conseguir coisa alguma. Sem amor o encontro com nós mesmos ou com um outro nunca acontece. Sem amor a profissão perde o sentido. Sem amor, conseguir o que e para que? Com amor a vida ganha um brilho, a sua razão de ser e continuar a viver. O amor enaltece, pluga, faz a alma transbordar. Transbordar significa ir além dos limites conscientes, aqueles os quais a gente confiava, percebia ou sabia fazer, mesmo com o maior esforço e boa vontade do mundo. Se existe amor, os potenciais se transformam em energia cinética, do movimento. As dores são empurradas de dentro e a gente as vê bem em frente. Há uma saída do padrão e então, mesmo sem querer, pode vir a entornar o conteúdo todo com o que havia lá dentro no fundo para sair. Um pedaço é carne viva a ferida. Não é só bonito. É feio também. Se fosse só bonito e só bom o mundo todo estaria junto, feliz e em paz, compartilhando o melhor dos mundos. O amor é um remédio para as feridas, e a princípio até ele causa dor por ser ele próprio um remédio ardente. Melhor amar do que não abordar o amor e ficar cego, mudo e sem vida. O amor se levanta das entranhas escondidas, porque não se conforma, e ele vai mesmo além do que antes era o comum, até o possível conhecido, querendo-se ou não. É mais do que disciplina ou esforço e mais forte que o pendor. O pendor ele precisa de combustível e essa energia necessária vem do amor. Não é fácil, e mesmo assim prevalece. Não é porque se queira algo com isso, que aconteça assim, porque o simples está bom, sendo suficiente. Alguma força vital surge e reivindica o seu lugar e encontra o seu jeito de dizer a verdade sem se esconder. Não há como deixar de viver. Algum caminho tem que existir para a gente caminhar. Ninguém trabalha para o nada. 

Se você orar a Deus com amor e devoção intensa, suas preces serão respondidas disse o Om. Então até Deus precisa de amor, caso contrário não teria porque Deus esperar alguma prece fervorosa de nossa parte para respondê-la só depois de receber nosso amor aprendiz. Amor é correspondência e não uma via de mão única, onde só Deus, o Todo Poderoso concede, distribui Graças, e a gente, mero mortal, recebe como um pedinte miserável ou um cachorro de rua com cabeça baixa. Deus é maior, contudo há uma igualdade na nossa relação com Deus no que se refere simplesmente ao amor. Deus compartilha amor a partir do amor ofertado do nosso coração.  Não precisa ser algo grande, tipo amor Crístico, acredito, porque senão seria impossível se relacionar com Deus e receber algo, mas pode acontecer no dialogar com fé Nele. Deus é generoso, então não precisa ser amor Crístico. Até Deus quer, e pelo que entendi espera receber, o amor através da devoção a Ele. É o amor possível. A dignidade. Aquilo que se pode oferecer, porque se tem para oferecer a Ele e a quem for servir. Deus não iria nos criar para exigir mais do que aquilo que poderíamos oferecer. Por outro lado, Deus não precisa de nada, obviamente, porque tudo que existe só existe porque vem do Criador em primeiro lugar. Então Ele também recebe através das pessoas comuns, que existem em todos os lugares. Nesses momentos Ele transfere uma faísca de Seu Poder de existir para as pessoas comuns serem servidas no lugar Dele e da mesma forma servirem no lugar Dele. É a manifestação da Divindade em todos os seres. Chegamos à onipresença de Deus. Em tudo Ele está presente, e Ele se manifesta através dos atos e nos sentimentos de humanidade. Por outro lado, nem Deus é tão independente assim, por conseguinte. Até Deus, a fortaleza, o Todo Poderoso, precisa do nosso amor para querer dar alguma coisa que preste ao amor que se sente. E a gente não se relaciona com Ele para receber algum favor, alguma dádiva. É relação de amor. É por amor do coração que a relação acontece entre nós e Deus. E Deus aparece. Quando Quer. Não é uma obrigação. Não sabemos a hora. Há um segredo profundo sobre a chegada da hora. 

Agora quero saber, já que estamos conversando numa abertura sincera de alma... Deus amado, e o amor possível, correto, profundo, viável, e concreto de alma, carne e osso? As orações não foram fervorosas o bastante? Que amor é esse que precisamos ter lá dentro para vir a conhecer quem não se conhece e nem se convive por acaso para o crescimento interior e a alegria? O que está faltando do meu amor devocional ao Senhor e à Sua criação? O que exige que eu faça antes? Existe um depois? Dúvidas não faltam e nem conflitos. Todo o universo se torna vácuo sem amor, como disse. O que significa esse amor citado, que preenche o universo e não deixa vácuo entre tudo que existe, permeando por dentro e por fora? Por que esse vazio tão grande dentro de mim? Sinto-me muito sozinha, mas não queria sentir isso. Não é volitivo. A gente se percebe dessa maneira. O exterior é reflexo, reação e ressonância do meu mundo interno, mas na minha ignorância isso não parece ser verdade, ainda que acredite e saiba serem Suas palavras. Amor é o fator mais importante na vida. Também penso assim, Senhor. Estou sentindo bastante. Que um dia a chama do meu amor se torne firme e inabalável. Tal é o poder do amor. Num diálogo sincero com Deus, você compreenda as palavras aqui como uma prática espiritual na forma de amor. É a relação com Deus sem forma. O amor é Deus, viva em amor, você disse. 

 

 

 

 

planetafuturo © Copyright 2000