Menu e Textos Alma das Flores
Banner

Cadastre-se e receba newsletter

    

 

 

Num determinado momento do aqui e agora: a distinção entre o existente na nossa realidade; o possível de existir, caso se faça isto ou aquilo outro; e o inexistente. Saudável percepção, sem ilusões, inverdades e sofrimentos vãos. Uma verdade existencial: a realidade é mutável, impermanente, e depende de inúmeros fatores. O que não pode faltar em um caminho escolhido: amor e amor próprio.

 

  
 


 

 

 

Luas, as Lunações e suas fases

 

 

Lua Nova - 10 de abril de 2013

O mapa astrológico da Lua Nova:  Quando Sol e Lua fazem conjunção exata no mesmo grau, minuto e segundo.

Dia 10/04 no signo de Áries, às 06:37 am, considerando o horário de Brasília - DF.

Nesta fase da Lua Nova em Áries, Sol, Lua, Ascendente, Vênus, Marte, Urano e Roda da Fortuna estão posicionados no signo de Áries, elemento Fogo.

Áries representa ação e impulso de agir. Marte seu regente, domiciliado em Áries, é o deus da ação, das defesas de territórios, dos combates e das guerras em prol das vontades do Sol, que dirige de acordo com a própria natureza essencial. Mercúrio, regente da comunicação, em Peixes, se apresenta receptivo e sensível. Pode-se dizer vulnerável e frágil, por um lado, com predisposição a ser mais lúcido e perceptivo pelo outro. Caso bem direcionada, esta sensibilidade na comunicação torna-se compassiva, empática, intuitiva e espiritual facilitando qualquer diálogo necessário e esclarecedor, após um conflito estabelecido, ou antes que ele ocorra, por dúvida, desconfiança e falta de interação.  O silêncio da casa12, assim como os propícios ambientes e práticas espirituais, favorecem o entendimento dos conflitos de identidades, isso indicado pelo forte posicionamento astrológico no signo de Áries.

Para defender as identidades e as construções em torno dessas identidades concebidas, incluindo a si e os outros, as pessoas muitas vezes agem de forma defensiva, impulsiva e raivosa, separando os espaços entre elas. Há relações onde o espaço de encontro e entendimento - já precário - vai diminuindo até não existir mais nada além de ‘bate-papos, um batendo no outro na sala’. Perderam o fio da meada. O tema nessas situações é o que menos importa, quando a guerra em si se torna mais crucial do que os fatos, as verdades ou os novos caminhos. Tudo que se almeja, então, é a destruição, o fim do fim, seja das circunstâncias ou até das pessoas envolvidas. "Acabou tudo! Agora sim, cheguei onde queria que você chegasse! Fiz tudo isso para você entender mais rápido!"  É o alívio da tortura e da violência (Marte) que não precisa estar sendo causado por quem está aqui e agora, mas por registros das memórias emocionais de um passado (Lua) ferido sei lá por quem, quando, onde ou como. As emoções interpretam o presente, sem estarrem inteiramente aqui e agora, nas circunstâncias reais da atualidade, e reagem automaticamente de forma impulsiva e ansiosa lembrando de algo. Ninguém por mais culto e preparado é racional o tempo todo, por este motivo devemos sempre estar atentos e concentrados, só isso. O diálogo empático de bom nível abre um novo espaço de encontro, compreensão e desenvolvimento, sendo possivelmente construtivo e agradável para ambas as partes, ou todos os integrantes, dependendo das circunstâncias e das vontades individuais. A Roda de Conversa sobre a Comunicação Não-Violenta (CNV), por exemplo, se aplica bem nesse contexto.

Chama a atenção nesse mapa astrológico as conjunções, incluindo os dois símbolos do masculino (Sol e Marte) e os dois símbolos do feminino (Lua e Vênus), juntos, e talvez possam estar unidos, num sentido de direcionamento do caminho individual, mediante atitudes colocadas em movimento pelas pessoas, e de acordo com a própria abordagem da vida e personalidade, o Ascendente. O diálogo de Mercúrio em Peixes liga, faz a ponte, enquanto as identidades e as condutas próprias se mantém intactas, ou alteradas em função de uma melhor compreensão pessoal e assertiva.

Os símbolos femininos e masculinos no signo de Áries em fogo obviamente também evocam a sexualidade e os relacionamentos entre homem e mulher, ou entre os princípios yin e yang existentes em ambos os sexos, com tudo que têm de direito, o que eles despertam e proporcionam: emoções, amor, desejos, lembranças, romances, transas, escolhas, alegrias, tristezas, traumas, erros, mágoas, rancores, valores, felicidade, sucessos, fracassos, desilusões, juventude, sonhos, trocas, interações, compreensões, realizações, brigas, diálogos, aconchego, nutrição, segurança, carinho, força, sedução, virilidade, atração, prazer e dor, entusiasmo, desenvolvimento, aprendizados, crescimento, consciência, superação, energia. Em suma, depois que o tempo passa, experiências, na verdade. 

Quanto mais psicologicamente maduras, conscietizadas, experientes e estáveis, com Saturno em Escorpião na casa dos relacionamentos, nessa fase lunar, melhor proveito de uma Lunação Nova como esta, e maior a estabilidade dos contatos e das relações estruturadas, que não necessariamente precisam ser pessoais, ou se esgotar quando passarem para outras fases e novas lunações, por se referir a um processo, incluindo fases e ciclos em mutação constante. Aliás é isso mesmo que indica o Nodo Lunar Norte, ou cabeça do Dragão no mesmo posicionamento de Saturno por casa e signo, o caminho do desenvolvimento e da evolução desse mapa astrológico, para que não se fique perdido andando em círculos comportamentais dos hábitos condicionados (Lua) sem refúgio.

A conclusão é simples: ninguém é uma ilha, e por mais independente, profissional, culto e consciente relativo - em termos -,  o ser humano é e sempre será, enquanto indivíduo, interdependente e aprendiz uns dos outros. O que cada unidade conhece sempre será infinitamente menor que o restante da humanidade, por maior a autovalorização pessoal. A questão que se coloca reside em como viabilizar a prática dos encontros nem sempre simples, mas complexa em qualquer nível de ocorrência, por causa dos egos, das identidades rígidas, aguerridas e cheias de desejos próprios, e interagir desenvolvendo tanto o próprio ser quanto a nossa existência familiar, social e planetária, sem nenhuma das partes perder suas características intrínsecas, atribuições e necessidades básicas de preservação.

 

 

 

planetafuturo © Copyright 2000