Menu e Textos Alma das Flores
Banner

Cadastre-se e receba newsletter

    

 

 

Num determinado momento do aqui e agora: a distinção entre o existente na nossa realidade; o possível de existir, caso se faça isto ou aquilo outro; e o inexistente. Saudável percepção, sem ilusões, inverdades e sofrimentos vãos. Uma verdade existencial: a realidade é mutável, impermanente, e depende de inúmeros fatores. O que não pode faltar em um caminho escolhido: amor e amor próprio.

 

  
 


 

 

 

A Primeira Superlua de 2015 e O Sol no Signo de Virgem

 

 


A PRIMEIRA SUPERLUA DE 2015 EM PEIXES E O SOL NO SIGNO DE VIRGEM

 

Rosana Uchôa

29/08/2015

 

A data 29 de agosto de 2015 é um dia auspicioso no céu astrológico e está marcando a primeira das três superluas visíveis de 2015. Nesse dia nosso satélite natural está em sua fase cheia, com o disco inteiramente iluminado pelo Sol. A Lua deve parecer um pouco maior e mais brilhante no céu, já que atinge o ponto de sua órbita em que está mais próxima da Terra, o perigeu. O Sol está no signo de Virgem e, portanto, a Lua Cheia está em grande evidência e plenitude no signo de Peixes, tratando-se de uma superlua. Trouxe esse tema de reflexão astrológica para quem conheça ou não Astrologia e os seis pares opostos e complementares da mandala astrológica. Vamos aqui abordar o eixo Virgem-Peixes. 

É um ótimo momento para darmos voz às percepções intuitivas que surgirem, quando predispomos os ouvidos e os olhos com receptividade e atenção para escutar com os ouvidos de ouvir, ver com os olhos de ver: a nós intimamente, as outras pessoas, as notícias, os acontecimentos atuais, sem, contudo, nos prendermos às tantas variáveis ou aos pré-conceitos já configurados numa dada estrutura “pronta” pelos padrões usuais individuais ou coletivos de pensamento e comportamento. Costuma-se fazer as ligações e conexões a partir de modos de configuração de escuta e atuação seja com uma dada pessoa em particular, as pessoas em geral, os diversos ambientes, os veículos de comunicação e as situações. O signo de Peixes representa um imenso Oceano profundo e isso traduz como o existente e as boas qualidades vão além da nossa forma habitual de (virginianamente) pensar a razão, o discernimento e a seletividade pessoal de nossos gostos, interesses, preferências, habitos, manias, escolhas e atitudes. A Lua em Peixes traz grande emotividade e sensibilidade, e também amor, empatia, compaixão e intuição. 

O signo de Virgem é regido por Mercúrio, deus da comunicação na mitologia greco-romana. A nossa disponibilidade verdadeira para dialogar com o nosso ouvido interno e também com o nosso ouvido físico, e a nossa disponibilidade para dialogar verdadeiramente por intermédio dos olhos internos e dos olhos físicos, pode favorecer a nossa capacidade de compreensão em uma gama de assuntos que se pretenda abordar. Não é cada um falando apenas para si próprio para afirmar as convicções pessoais já formuladas. Refiro-me ao diálogo quando as pessoas realmente interagem e se apreciam entre si. O signo de Virgem inclui ao mesmo tempo as atitudes práticas e efetivas que tanto se dá curso como virá a se iniciar. Ou seja, trabalhando-se em cima de alguma coisa a surgir ou já escolhida como tópico para o pensamento, no dia a dia, dando aplicação prática ao já pensado, estudado, intuído e entendido.

O inconsciente aflora quando lhe damos ouvidos, em especial quando exercitamos essa qualidade natural com frequência, e nos atentamos às sutilezas dos panoramas e circunstâncias ao redor, tendo isso analogia com o signo de Peixes. O universo conspira para a compreensão do que esteja acontecendo em nossas vidas objetivas, e emite sinais visíveis, sem que, muitas vezes, no entanto, os percebamos ou consigamos identificá-los precisamente. A vida conversa conosco. Os sintomas são ferramentas observáveis a qualquer momento, isso é território de Virgem, e estão em todos os lugares, circunstâncias e áreas de estudo: seja em nossa existência pessoal, seja na dos demais e, no que acontece ao redor do planeta. Quais são os sintomas atuais de uma certa questão? O que está acontecendo? Qual o resultado atual? 

A Lua em Peixes, em especial sendo uma superlua, é uma ótima oportunidade de deixarmos a natureza de nossa alma e da alma do mundo falar com a gente e dar o seu recado, seja o que for: agradável ou não, desejável ou não, compreensível ou não em sua maior parte e inteireza. Isso a partir da consciência solar em Virgem: considerando os sentidos físicos e racionais pelos quais interagimos diretamente com as pessoas e o mundo; e também pela superação de uma possível baixa atenção, barreira, controle e indiferença a determinados pontos e questões importantes, acrescentando por ventura as qualidades oriundas do signo de Peixes, aquelas as quais nos antenam habitualmente ou não, e nos capacita à mais apurada compreensão espiritual e ao sexto sentido perceptivo da alma e da alma do mundo.

O eixo astrológico Virgem-Peixes é uma combinação perfeita entre dimensões diferentes de percepções de uma mesma realidade. Afinal, qual é a nossa realidade, se ela não é estática e há tantos aspectos e também formas de entendimento? Ou qual é e ainda pode vir a ser a realidade do mundo? O que significa espiritualidade, serviço desinteressado, trabalho remunerado e desenvolvimento espiritual? Existem inumeráveis níveis de observação e de compreensão, dependendo da fonte observadora e do conhecimento utilizado.

É possível, por exemplo, observar o construído atual, os fatos existentes como se apresentam para nós através dos sintomas. Os sintomas se manifestam e existem por um determinado tempo transitório, impermanente, numa dada configuração de realidade, com os seus contornos, limites, características e também propostas de continuidade. Além disso somos dotados da capacidade de observar “um novo mundo” a ser manifestado no futuro a partir de como as coisas têm acontecido de tempos para cá; ou buscar entender como um novo mundo pode ser projetável e criado a partir de novas atitudes, novos pensamentos e de novas emanações psíquicas que efetivamente irradiamos, consciente e inconscientemente.  Isso mediante coordenadas viáveis e caminhos possíveis e permitidos, seja pelas alternativas efetivas ao nosso alcance atual, seja pela ética e ações objetivas corretas de nossa conduta.

Estamos, sem dúvida, uns com os outros, moradores de um planeta chamado Terra, inseridos em contextos coletivo, sócio-culturais, planetários, astrológicos, cósmicos, kármicos, espirituais, etc.,  os quais incluiem o nosso livre-arbítrio individual. Porém, com certeza, o Cosmos e as leis naturais não estão submetidos ao livre-arbítrio individual, por maior a força, a positividade, o sentido de direcionamento das atitudes, a negatividade ou o poder mental e material de uma pessoa. Assim mesmo, qualquer um é capaz de ampliar a visão que possui de si, de sua realidade, e dotar-se de mais aprofundado autoconhecimento, passando também a encontrar caminhos novos, ainda desconhecidos; se permitir caminhos pouco usuais ou não frequentados, embora conhecidos; e assim ir mudando a energia e se ligando a pessoas e energias do mesmo timbre. Enquanto células saudáveis de um sistema orgânico, tema proposto pelo signo de Virgem, aprimoramos nas diversas experiências os recursos, potencialidades, conhecimentos e forças, enquanto fazemos parte integrante de uma organização bastante complexa e dinâmica a qual existimos, participamos, interagimos, contribuímos. E o organismo, sem dúvida, nos abarca, complementa e unifica num todo inteiro, tema do sutil e espiritual signo de Peixes.

Agimos no planeta, individual e coletivamente, e o planeta, por sua vez, reage segundo as forças e leis naturais pré-existentes. As reações às ações naturalmente acontecem, independente de nossa vontade e atitude pessoal. Ao mesmo tempo existe um sentido espiritual nisso tudo, que aponta para os ensinamentos e conhecimentos já existentes da humanidade, e indica, sem dúvida, para o autoconhecimento, a autopercepção, o desenvolvimento da compreensão, o equilíbrio e a harmonia do planeta. Podemos com o Sol em Virgem e a Lua em Peixes nos darmos conta da representação do mundo criado com as inumeráveis alternativas a serem projetadas pela humanidade e por nós mesmos, e isso é possível, mutável, transformador e bastante significativo. Oportunidades existem para se entender e agir mais consciente conforme as escolhas que se têm e se faz. E quanto mais nos expandimos e aprofundamos (Peixes) nos aspectos que surgem aos nossos olhos, quanto mais nos limpamos, curamos e purificamos para aflorar a nossa natureza individual por intermédio de variados instrumentos e ferramentas (Virgem), mais a nossa capacidade intelectual e observadora nos permite refinar o entendimento e a compreensão sobre a configuração e a transformação da realidade presente e também futura.

Podemos com a análise e a síntese, o senso de observação e o discernimento de Virgem ter uma perspectiva tanto do nosso complexo mundo interior, consciente e inconsciente ao mesmo tempo, quanto dos acontecimentos no mundo exterior. Por essas questões, é um ótimo momento para tomada de decisões, assim como para verificarmos o ponto onde nos encontramos nos caminhos onde temos trabalhado e nos engajamos até aqui. É propício para resignificarmos as nossas referências. O Sol em Virgem deixa apurada a observação, em especial naqueles que têm afinidades naturais com o signo, até os pequenos detalhes que estavam passando despercebidos; e a Lua em Peixes tem a propensão de deixar mais sensível o nosso senso de abertura e amplitude, a nossa receptividade ao igual e ao diferente e a intuição, o nosso amor e carinho, em especial àqueles que têm afinidade natural com o signo, abarcando, incluindo, permeando e aprofundando uma maior extensão de assuntos e suas nuances perspectivas.

O eixo oposto e complementar Sol Virgem-Lua Peixes na mandala astrológica, um círculo de 360 graus, ativo pela presença da Lua Cheia nesse posicionamento, não esgota e nem exclui nenhum tema, pelo contrário, e nos torna apreciativos de uma desejável lucidez no discernimento, com a clareza necessária e suficiente pelos vários sentidos objetivos e subjetivos percebidos. Começamos de algum ponto apresentado ou escolhido, selecionando os recursos disponíveis, fazendo-os trabalhar a favor, e a partir daí nos direcionarmos adiante,  destrinchando um ponto por vez, pesquisando, observando, compreendendo, aprendendo, elaborando o construir e atuando na prática das questões abordadas. Abre-se, então, um leque de opções, e cada passo nos conduz e conduzimos, munidos de novo entendimento, motivação, vontade e firmeza nas atitudes objetivas.

Bem legal a primeira superlua do ano em Peixes com o Sol em Virgem.  

 

 

 

 

planetafuturo © Copyright 2000